Ceará

Cearense que deu mortal para conquistar garota é tricampeão mundial de slackline

O jeito inusitado do jovem cearense Pedro Rafael Marques de conquistar uma garota repercutiu nas redes sociais. O rapaz de 21 anos foi em direção à menina que estava se bronzeando na praia do Icaraí, em Niterói (RJ), e deu um mortal. A moça ficou surpresa com o gesto e soltou um sorriso. Mas, além de ser um bom “conquistador”, o cearense é tricampeão mundial de slackline e, no próximo dia 18, está indo ao Japão para conquistar mais um título.

O contato com o esporte aconteceu na praia de Jericoacoara, a 298 km de Fortaleza, aos 17 anos, quando trabalhava durante na madrugada como garçom. Desde então, dedicou-se ao slackline, tornando-se referência mundial.

“Teve um dia que fui trabalhar e vi na praia uma fita armada. Fiquei interessado e aí comecei a praticar o esporte”, disse Pedro, em entrevista ao Tribuna do Ceará.

Um ano após ter conhecido o esporte, o atleta decidiu participar de um Campeonato Cearense, na Praia do Futuro, em Fortaleza, mas não teve um bom desempenho, sendo derrotado pelos adversários. A experiência serviu de estímulo para dedicar ao esporte e voltar para conquistar o título local.

“Eu comecei a treinar bastante de 2014 para 2015. Evoluí muito rápido e comecei a competir como amador e ganhei de dois profissionais. Depois fui para Natal, fiquei em terceiro. Logo após, Rio de Janeiro, e, por fim, conquistei o título mundial em Foz do Iguaçu, no Paraná”, explica.

Além dessas conquistas dentro do País, o atleta cearense também ganhou títulos no Chile, Itália, Chile, Espanha e agora está se organizando para competir na cidade de Tóquio, no Japão. Caso traga mais um prêmio ao País, ele prometeu que ia chamar a garota da praia para sair e comemorar mais uma conquista.

“Eu falei para ela que, se eu voltasse do Japão com o título, ia chamá-la para sair”, garante.
Apesar do desempenho, o jovem cearense ainda não recebe patrocínio para se dedicar exclusivamente ao esporte slackline. As suas viagens aos campeonatos foram pagas pela organização do evento que o convida a participar. Como é o caso do Japão.

“Eu fiz o meu nome quando ganhei o primeiro campeonato mundial”, ressalta. Além disso, decidiu ir morar em Niterói, no Rio de Janeiro, aos 18 anos, por problemas familiares, e pelo Estado ter mais visibilidade no esporte, ao contrário do Ceará.

Eu dou aulas de slackline para poder me sustentar aqui“, explica. Além disso, Pedro também tem se dedicado aos estudos de língua estrangeira, devido aos eventos que tem participado.
   

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Tecnologia do Blogger.