Brasil

Temer já admite deixar votação da Reforma para 2018

Com dificuldade para obter votos até a próxima semana, o presidente Michel Temer e aliados admitem a possibilidade de deixar para fevereiro a votação da reforma da Previdência. O último balanço feito pelo Palácio do Planalto apontou um placar estacionado em torno de 270 votos, abaixo dos 308 necessários. A ideia do governo é tentar votar o texto entre os dias 18 e 20, antes do início do recesso parlamentar. 

Para tanto, quer iniciar na quinta (14) o debate o em plenário como forma de estimular líderes partidários a saírem publicamente em defesa da proposta -ao mesmo tempo, sentir a temperatura do quadro de votos.

Porém, diante do risco de não conseguir levar a estratégia adiante, o Planalto passou a formular o discurso de que a votação pode ficar para fevereiro. 

"Sem dúvida alguma, se não conseguirmos (votar na semana que vem), vou sentir que perdemos uma batalha, mas não perdemos a guerra", disse o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), que assume quinta (14) como ministro da articulação política (Secretaria de Governo) com a missão de angariar mais apoio à reforma. No domingo (9), em viagem a Buenos Aires, o presidente Temer havia admitido a possibilidade de adiar a votação.

O discurso foi compartilhado também pelo ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira. 

Tentativa 
Mesmo com a expectativa pessimista, o presidente fará mais um esforço. Isso porque o governo avalia que as chances de derrota em 2018 crescem em razão do ano eleitoral. Ontem, o presidente ordenou, em reunião no Palácio do Planalto, que os ministérios da Saúde, Cidades e Integração Nacional agilizem até a próxima semana a liberação de emendas parlamentares. 

No caso da área da saúde, que tem mais gargalos, seria destinado, por exemplo, a reformas de unidades hospitalares e entrega de ambulâncias. Nas últimas semanas, integrantes da base aliada vinham reclamando que emendas empenhadas na época da votação das denúncias da Procuradoria-Geral da República contra o presidente não tinham sido executadas. 

Além disso, Temer pediu à equipe política um levantamento da tendência de voto de todos os deputados governistas. Pelo balanço prévio feito pelo Planalto, há 100 deputados governistas que estão indecisos, a maioria de partidos como PSD e PR, que têm resistido em fechar questão favorável à proposta. Para evitar um esvaziamento do plenário da Câmara, no caso de a votação se confirmar na semana que vem, o peemedebista pediu ao presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), que marque para o dia 19 a votação pelo Congresso do Orçamento, no que foi atendido.

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Tecnologia do Blogger.