Brasil

IstoÉ/Sensus: Bolsonaro lidera com 30,6%, Haddad tem 24,5%, Ciro, 7,7% e Alckmin, 5,6%


Pesquisa ISTOÉ/Sensus revela a consolidação do cenário de polarização na eleição presidencial entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad. No segundo turno, a disputa está totalmente em aberto, com o candidato do PSL à frente do petista na margem de erro.

No dia 7 de outubro, as urnas eletrônicas serão o retrato de como a sociedade brasileira avalia os últimos 16 anos do País. Na hora de fazer esse tira-teima, os brasileiros resolveram transformar a disputa em um plebiscito entre os dois extremos. É o que mostra claramente a pesquisa Sensus que ISTOÉ publica com exclusividade nesta edição. “A polarização entre PSDB e PT repetida nas últimas eleições do país deu lugar a uma polarização PT versus anti-PT. Os eleitores dividem-se entre os que apoiam essa era e os que não apoiam”, analisa o diretor do Instituto Sensus, Ricardo Guedes. “O eleitor vota pragmaticamente, com a prevalência das preocupações e demandas por bens e serviços sociais em contrapartida às variáveis de cunho ético. Há uma oposição do projeto liberal e das políticas sociais, como se fossem excludentes”, observa.
QUASE LÁ Internado no hospital desde que foi vítima de um atentado, Bolsonaro já traça estratégias para o 2º turno das eleições
HADDAD É LULA Sob as bênçãos do ex-presidente preso, Haddad está muito próximo de carimbar o passaporte para a segunda fase das eleições (Crédito:Nelson Almeida)
De acordo com o levantamento, Jair Bolsonaro, do PSL, lidera as intenções de voto com 30,6% no quadro estimulado (quando os nomes dos candidatos são apresentados ao eleitor). Fernando Haddad, do PT, tem 24,5%. Ciro Gomes, do PDT, 7,7%. Geraldo Alckmin, do PSDB, 5,6%. Marina Silva, da Rede, que durante bom tempo figurou em segundo nas pesquisas, no levantamento ISTOÉ/Sensus aparece apenas com 2,7%, seguida de João Amoedo, do Novo (1,9%); Alvaro Dias, do Podemos (1,7%) e Henrique Meirelles, do MDB (1,6%). Ou seja, a eleição polarizou de fato entre Bolsonaro e Haddad. Somente uma reviravolta improvável será capaz de tirar os dois do segundo turno. “O quadro do primeiro turno está definido”, afirma Guedes. “O que acontecerá no segundo turno dependerá agora do desempenho de cada candidato, seus partidos, seus programas e militantes no segundo turno”.
ÚLTIMOS SUSPIROS Ciro ainda tenta mostrar ao eleitor que pode ser capaz de quebrar a polarização dos extremos (Crédito:Nelson Almeida)
Nas simulações de segundo turno, permanece quadro de divisão do País, com empate entre os candidatos. De acordo com a pesquisa ISTOÉ/ Sensus, Bolsonaro teria 37,2% das intenções de voto no segundo turno, contra 36,3% de Fernando Haddad. Nas simulações contra os demais candidatos, os percentuais aumentam, reforçando a ideia de que o embate se dá mesmo entre os dois. Bolsonaro teria 35,1% contra 33,5% de Ciro Gomes. Contra Alckmin, seria 38% versus 26,4%, em favor de Bolsonaro. Na disputa contra Marina, 37,4% a 26,5%, também pró-candidato do PSL. Já Haddad venceria Ciro por 29,8% contra 25,6% e prevaleceria também sobre Alckmin (35,1% a 22,3%). Contra Marina, Haddad teria 37,3% e ela 17,5%.
No quadro que mostra as intenções de voto espontâneas dos eleitores (quando o eleitor indica seu voto de memória, sem a lista dos candidatos), Bolsonaro ostenta 28% e Haddad 21,8%. Ou seja, não há grande diferença. “Quando o espontâneo cola no estimulado, isso significa cristalização das eleições”, afirma Guedes. Os eleitores, assim, já definiram suas escolhas. Somados, Bolsonaro e Haddad totalizam 51,5% das intenções de voto. Com 21,6% de brancos, nulos e ausência de respostas, os demais onze candidatos disputam 23,3% do voto do eleitorado. Portanto, só uma hecatombe alteraria o resultado do primeiro turno.
ESFORÇO FINAL O tucano Geraldo Alckmin ainda aposta numa virada na reta final da campanha (Crédito: Bruno Rocha/Fotoarena/Agência O Globo)
Para consolidar esse quadro, a pesquisa revela ainda 80,4% do eleitorado já decidiu o candidato da sua preferência. O Sensus ouviu 2 mil eleitores em 136 municípios de 24 estados das cinco regiões do país entre os dias 21 e 24 de setembro. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, para mais ou para menos. O índice de confiança da pesquisa é de 95%. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número BR-02407/2018.
Outro aspecto importante revelado pelo levantamento ISTOÉ/Sensus é que o voto útil tornou-se, de fato, uma ferramenta considerada por boa parte dos eleitores. Normalmente, numa eleição de dois turnos, o eleitor vota primeiro naquele candidato de sua preferência, exercendo a escolha no que lhe parece menos pior apenas no segundo turno. A pesquisa indica que tal situação já pode acontecer no domingo 7. Um percentual de 35,8% dos entrevistados afirma considerar o voto útil no primeiro turno. Destes, 23,1% já afirmam que assim farão. E 12,7% admitem votar em um candidato que não seja da sua preferência para evitar que outro candidato seja eleito. Os dois candidatos que lideram a pesquisa apresentam rejeição acima de 40%. Fica claro, de novo, o caráter plebiscitário da disputa. O eleitor votará pensando menos no que almeja e mais do que não deseja para os próximos quatro anos.
SINA Marina Silva repete o desempenho de eleições anteriores: boa de largada, mas ruim de chegada (Crédito:Diego Herculano)
Ricardo Guedes observa quais são as motivações principais que movem cada um dos grupos que se polarizam. “Bolsonaro significa o voto de risco em um novo país mais liberal”, afirma. Ou seja: boa parte de seus eleitores considera o risco que representam suas posições mais radicais em nome desse projeto. “Haddad é a lembrança da bonança independentemente dos problemas causados”, completa o diretor do Instituto Sensus.
Assim, no imaginário dos eleitores petistas, os tempos de ascensão social e maior bem estar são capazes de superar as denúncias, a crise e o desgoverno de Dilma Rousseff e a prisão do ex-presidente Lula, o que ainda soa inacreditável. Por isso, fica a pergunta que estampa a abertura da matéria: vamos mesmo por esse caminho? Pela pesquisa ISTOÉ/Sensus, sim. Enquanto Haddad e Bolsonaro já traçam estratégias para o embate final, os demais candidatos, num derradeiro esforço para empreender uma virada improvável, trabalharão para se apresentarem como opções à polarização. Na última semana, reforçarão o discurso do equilíbrio e da racionalidade, na tentativa de incutir na cabeça do eleitor o perigo que poderá representar a definição pelos extremos, mantendo o Brasil na ebulição em que se encontra, com todos os prejuízos acarretados à estabilidade política e econômica do País. Que a racionalidade e o bom senso predominem no domingo.

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Tecnologia do Blogger.