Brasil

Vasco empata com Flamengo e ajuda Ceará a permanecer fora da zona

Agora, o Vovô precisa que um time de três que irão jogar na rodada (Sport, Botafogo e Chapecoense) não vença para terminar a rodada fora da região de descenso
Em clássico repleto de alternativas, com confusão, expulsão, gol contra, ambulância em campo, e que terminou com 10 jogadores de cada lado, Vasco e Flamengo empataram por 1 a 1 neste sábado, no estádio Mané Garrincha, em Brasília, e ficaram, pelo menos por ora, distantes de seus objetivos no Campeonato Brasileiro.
O empate para o Vasco tem impacto ainda mais negativo, já que a equipe, que não vence há cinco jogos, permanece na zona de rebaixamento, com 25 pontos, e pode até cair da 17ª posição para a penúltima, caso Sport e Chapecoense vençam Corinthians e Internacional, respectivamente. Com isso, o Ceará permaneceu na 15ª colocação, acima dos cariocas, após o triunfo contra o Vitória. Agora, o Vovô precisa que um time de três que irão jogar na rodada (Sport, Botafogo e Chapecoense) não vença para terminar a rodada fora da região de descenso.
A igualdade nesta 25.ª rodada deixa o Flamengo com 45 pontos, na quarta posição, longe do atual líder Internacional, que tem 49 e ainda joga nesta rodada. Assim, os líderes podem aumentar a distância em relação ao time do técnico Maurício Barbieri, que segue pressionado.
O jogo
O gol vascaíno foi marcado no primeiro tempo, etapa dominada pelo time cruzmaltino, e saiu dos pés de Andrés Ríos, após cruzamento de Raul da direita. Na etapa final, mesmo com um a menos àquela altura depois de ter Diego expulso, o Flamengo chegou ao empate com o gol contra do zagueiro Luiz Gustavo. No geral, o Vasco foi um pouco superior, mas acabou prejudicado por falhas individuais e permanece com a sina de resultados negativos em sequência.
A partida foi interrompida por cerca de dez minutos no segundo tempo para o atendimento do volante Bruno Silva, que levou a pior em choque de cabeça com o companheiro Luiz Gustavo e teve de deixar o estádio de ambulância, esta que teve de ser empurrada por jogadores das duas equipes até o veículo "pegar no tranco". Segundo informou o médico do Vasco ao SporTV, o jogador, que teve o pescoço imobilizado, saiu de campo consciente, mas reclamou de fortes dores de cabeça e tinha dificuldade para mexer a perna direita, enfaixada, e assim precisou ser levado a um hospital.
O Vasco mereceu ir ao vestiário com vantagem no placar. Dentro das suas limitações, o time de Alberto Valentim, que ainda não havia vencido no comando vascaíno, foi inteligente, organizado e eficaz diante de um Flamengo improdutivo, nervoso e mal posicionado.
Armado com três volantes e o lateral-esquerdo Fabrício deslocado para o meio-campo, a equipe cruzmaltina chegou a ter o dobro de finalizações do rival, que apostou nas tentativas aéreas, sem sucesso. Uribe, isolado, não funcionou e Vitinho abusou dos arremates sem êxitos de fora da área. Diego destoou da equipe e foi o único a levar perigo ao gol de Martín Silva, em finalização da entrada da área.
Raul e Fabrício brilharam pelo time cruzmaltino na etapa inicial O mapa da mina para eles acharem espaço foi o lado direito. Foi de lá que saiu o cruzamento rasteiro de Raul para Maxi López brigar na área e a bola sobrar para Andrés Ríos, livre e com o gol aberto, já que Diego Alves estava caído, empurrar às redes aos 27 minutos.
Na etapa final, o Flamengo, apesar do susto de Maxi López, que acertou o travessão aos dois minutos em finalização estranha de cabeça, cresceu e equilibrou a partida. Lucas Paquetá e Éverton Ribeiro passaram a aparecer e o Fla, antes pouco agressivo e muito apático, incomodou Martín Silva, que evitou o empate em arremates de Paquetá e Vitinho.
O time rubro-negro seguiu melhor até Diego ser expulso, aos 11 minutos. O meia, que já tinha amarelo, levou o segundo por reclamação com o árbitro. Pouco antes disso, Diego se envolveu em confusão com os jogadores do Vasco por não ter colocado a bola para fora para atendimento de Raul, que estava caído.
O gol da equipe rubro-negra saiu, curiosamente, depois que o time ficou com dez atletas. Se os atacantes são criticados por não marcarem, o time precisou contar com um gol contra de Luiz Gustavo, zagueiro rival, que mandou cabeceio fulminante para o próprio gol aos 16 minutos, na tentativa de fazer o corte.
O Vasco não só não conseguiu transformar a superioridade numérica em gols como teve azar ao perder Bruno Silva, que levou a pior em disputa de bola com o companheiro de time, Luiz Gustavo. Assim, a partida voltou a ter os dois times em igualdade de jogadores e passou a ser ainda mais aberta, com oportunidades de gols para os dois lados.
Nenhuma das equipes, porém, foi competente o suficiente para balançar as redes novamente. Quem chegou mais perto disso foram Everton Ribeiro, pelo Fla, e Maxi López, pelo lado vascaíno. No final, em clássico maluco e repleto de alternativas, o resultado foi ruim para os dois times.

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Tecnologia do Blogger.