Brasil

2º turno - Confira os partidos que apoiam Bolsonaro, Haddad ou ficam neutros

Com a confirmação de Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) no segundo turno das eleições presidenciais, os demais partidos começaram a definir a posição que adotarão no pleito.
No primeiro turno, Bolsonaro obteve 49,2 milhões de votos (46,03%) e Haddad, 31,3 milhões (29,28%). O segundo turno está marcado para o dia 28.
Catorze partidos decidem não apoiar candidatos que disputam eleição presidencial - Saiba abaixo quais são as posições adotadas pelos partidos no segundo turno (em ordem alfabética).
DC - O partido de Eymael, que disputou o primeiro turno, decidiu por uma posição de neutralidade no segundo turno. Com isso, os filiados estão liberados para votar em qualquer um dos dois candidatos.
DEM - O presidente do DEM, Antônio Carlos Magalhães Neto, divulgou nota anunciando que o partido não apoiará no segundo turno da disputa pelo Palácio do Planalto nem Jair Bolsonaro nem Fernando Haddad. O comunicado do DEM destaca que os integrantes da legenda terão liberdade para apoiar quem quiserem. O próprio ACM Neto se manifestou a favor de Bolsonaro.
NOVO - O partido, que concorreu no primeiro turno com João Amoêdo, confirmou que não vai apoiar nem Bolsonaro nem Haddad. No entanto, a sigla declarou, em nota aos militantes, que é "absolutamente" contrária ao PT, que, segundo o Novo, "tem ideias e práticas opostas às nossas".
PATRIOTA - O candidato do partido à Presidência da República, Cabo Daciolo, afirmou que não apoiará nenhum dos dois candidatos que disputarão o segundo turno.
PDT - O partido do presidenciável Ciro Gomes, o PDT, anunciou "apoio crítico" a Fernando Haddad a fim de "evitar a vitória das forças mais reacionárias e atrasadas do Brasil". Na eleição presidencial, Ciro Gomes terminou o primeiro turno em terceiro lugar, com 13,3 milhões de votos.
PODEMOS - Em nota divulgada, o partido anunciou que permanecerá neutro no segundo turno. A sigla liberou a militância para apoiar, individualmente, qualquer um dos candidatos.
PP - A sigla divulgou um documento em que declara que manterá postura de “absoluta isenção e neutralidade” no segundo turno. A legenda integra o chamado bloco do "Centrão" e no primeiro turno do pleito havia participado da coligação do candidato do PSDB, Geraldo Alckmin.
PPL - Em nota divulgada, o PPL, que concorreu no primeiro turno com João Goulart Filho, declarou apoio a Fernando Haddad. Filho do ex-presidente Jango, Goulart Filho disse no comunicado que o país corre um "grande risco" diante da possibilidade de Bolsonaro se eleger no segundo turno.
PPS - O presidente do partido, Roberto Freire, anunciou que o partido fará oposição às duas candidaturas por considerar que os dois projetos de governo 'flertam com ditaduras'.
PSB - Neutro no primeiro turno, o partido definiu o apoio à candidatura de Fernando Haddad. A cúpula da legenda também resolveu liberar os diretórios regionais de São Paulo e do Distrito Federal, onde os candidatos do PSB, Márcio França e Rodrigo Rollemberg, respectivamente, disputarão o segundo turno ao governo estadual.
PSD - O partido, que apoiou Geraldo Alckmin no primeiro turno, se declarou neutro no segundo turno e liberou os filiados a declararem apoio individual a qualquer um dos dois candidatos.
PSDB - Em reunião, a Executiva Nacional do partido, que disputou o primeiro turno com Geraldo Alckmin, decidiu ficar neutro no segundo turno. A cúpula do PSDB, porém, decidiu liberar as direções estaduais da legenda a e os filiados a se posicionarem como quiserem nas unidades da federação.
PSOL - O partido, que disputou o primeiro turno com Guilherme Boulos, declarou que irá apoiar o candidato do PT, Fernando Haddad, no segundo turno. A decisão foi tomada pela Executiva Nacional do partido após reunião.
PR - O líder do partido na Câmara, deputado José Rocha (BA), informou que a legenda decidiu não declarar apoio nem a Bolsonaro nem a Haddad no segundo turno. O PR resolveu liberar seus filiados para manifestarem apoio a quem quiserem. O líder do PR ressaltou que não se trata de neutralidade. "O PR se colocou numa posição de liberar todos os seus representantes. Temos parlamentares que apoiam Bolsonaro e outros, Haddad".
PTB - Em nota divulgada, o partido anunciou apoio a Bolsonaro. Segundo a nota, as propostas econômicas do candidato do PSL são o principal motivo do apoio.
PRB - O partido decidiu não apoiar Haddad nem Bolsonaro. Informou ter liberado os filiados a votar em quem quiserem, conforme o interesse local.
REDE SUSTENTABILIDADE - O partido da candidata derrotada Marina Silva decidiu recomendar aos filiados e simpatizantes "nenhum voto" em Jair Bolsonaro, mas ressalvou que não apoia Fernando Haddad e que será oposição ao futuro governo, seja qual for o vencedor da eleição.
SOLIDARIEDADE - O partido declarou que ficará neutro na disputa do segundo turno. A sigla liberou os diretórios e seus correligionários a se posicionarem "de acordo com a realidade local dos estados" e orienta o apoio a somente quem "respeitar a Constituição vigente" e “manter o compromisso com a democracia”.
PSC - Em reunião, a executiva nacional do partido decidiu por unanimidade dar apoio a Bolsonaro. O PSC explicou que defende bandeiras liberais na economia e conservadoras nos costumes e que, por isso, vê as propostas do candidato do PSL como as melhores para o país.
MDB – O presidente do partido, senador Romero Jucá (MDB-RR), anunciou que a sigla vai ficar neutra no segundo turno. "Nós não vamos apoiar nenhum dos dois candidatos. Estamos liberando os membros do MDB para votarem de acordo com a sua consciência”.

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Tecnologia do Blogger.