Brasil

Polícia interrompe velório de mulher que morreu após cirurgias plásticas

Após colocar próteses de silicone e fazer lipoaspiração em clínica na Zona Sul de Belo Horizonte, mulher passou mal e morreu nessa segunda-feira. Hoje, funeral foi interrompido pela polícia para que o corpo fosse examinado, dando início às investigações
A Polícia Civil começa a investigar a morte da atendente Renata Avelino Bretas, 35 anos, que morreu após passar por dois procedimentos estéticos em uma clínica na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. A mulher era moradora de Itabirito, onde será sepultada nesta terça-feira. Pela manhã, pouco antes do enterro, policiais interromperam a cerimônia informando que seria necessário fazer a autópsia do corpo.
Renata passou por duas intervenções na semana passada em uma clínica de cirurgia plástica no Bairro Santo Agostinho, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Ela colocou próteses de silicone nos seios e fez lipoaspiração na região das axilas.
Familiares de Renata que acompanhavam o velório no Cemitério Parque da Esperança disseram à reportagem da TV Alterosa nesta manhã que as cirurgias foram realizadas na quarta-feira passada, dia 17, e que ela passou mal já no pós-operatório. Ela foi atendida na clínica e liberada. A mulher passou mal em casa, voltou à clínica na sexta-feira para trocar os curativos, e passou mal na clínica novamente.
Segundo os parentes, na segunda ela teve um novo episódio e chegou a ter convulsões. Ela chegou a ser socorrida em um hospital de Itabirito, onde morreu. A causa da morte foi embolia pulmonar. O em.com.br entrou em contato com a clínica onde Renata foi operada e aguarda retorno.
O enterro de Renata estava marcado para as 10h, mas os familiares e amigos foram surpreendidos pela chegada da Polícia Civil, dizendo que seria necessário realizar a autópsia antes do enterro. As pessoas que estavam no local chegaram a chamar a Polícia Militar (PM), que compareceu ao local e ajudou a apaziguar os ânimos.
O delegado que esteve no local informou que a ocorrência do caso seria feita hoje, mas como a mulher passou mal após uma cirurgia o caso precisa ser investigado. Uma médica legista foi chamada para realizar o procedimento, que deve levar uma hora, e depois o corpo será liberado para o sepultamento.
Por meio da assessoria de imprensa, a Polícia Civil informou que ainda que não tenha sido acionada, a apuração do caso tem que ser realizada. O corpo será submetido a exames periciais e serão realizadas diligências preliminares e oitiva dos familiares para identificar se há indícios de crime. Também será aguardado resultado do laudo pericial.

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Tecnologia do Blogger.